Método VRDC de priorização

VRDC é um acrônimo para as palavras Valor, Risco, Dependência e Complexidade técnica.

O método VRDC de priorização visa destacar com a pontuação mais alta os itens mais importantes do Backlog e que estes itens deveriam ser entregues primeiro.

A técnica consiste em pontuar cada elemento VRDC conforme as regras abaixo:

Valor: Pontue de 0 à 10
Risco: Pontue de 0 à 10
Dependência: Pontue somente 10 caso exista dependência
Complexidade técnica: Pontue de 0 à 10

Com base na soma da pontuação final, as histórias terão um peso, resultado desta somatória. Com base neste peso, você conseguirá ter uma visão sobre quais histórias são as mais “pesadas” do seu Backlog.

Interpretando os elementos VRDC

V = Valor: Quanto de valor a história de usuário representa para o usuário final?

R = Risco: Qual é o risco desta história não ser entregue? 

D = Dependência: A história que será pontuada, irá gerar insumos para “outras” histórias no Backlog?
Ex: Temos duas histórias no Backlog, A e B. A história A não consegue ser entregue pois necessita que a história B seja entregue antes. Diante disso a história B receberá a pontuação “10” no método VRDC pois ela precisa ser completada o mais rápido possível para que a história A também seja entregue.

C = Complexidade Técnica: Qual a complexidade técnica (tecnologia) da história?
Obs: É altamente recomendado pontuar este item com o time que irá entregar a história.

O autor, Fernando Gondim, relata que o método se encaixa muito bem com o Scrum, mas que pode ser adaptada em qualquer outro framework ou metodologia.

VRDC e o Backlog Agile

Visando a aplicabilidade prática do método VRDC de priorização, Fernando Gondim elaborou uma ferramenta para unir o conceito e a prática.

A ferramenta foi denominada como “Backlog Agile”.

Você pode efetuar o Download gratuito do Backlog Agile através do Link abaixo:

https://drive.google.com/file/d/1M2CFA-gpanvzVV_CGAcU6-6y1Q_EyDB0/view?usp=sharing

4 comentários

  1. Olá! Fernando, Não sei se entendi direito, mas achei que teria uma problema nessa priorização. Por exemplo: se uma história tem valor=10, Risco=1, dependência=0, complexidade=1 (total = 12) e outra história com Valor=1, Risco=9, dependência=10, complexidade=9 (total = 29). Neste meu exemplo extremista a história com alto valor ficaria abaixo.

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá Kadu!
      Primeiramente agradeço por mencionar seu ponto de vista.

      Com base no seu exemplo, parto da seguinte reflexão:

      – Tenho uma historia com auto valor, somando 12 pontos. (Um item de alto valor apenas)
      – Tenho uma história com Risco elevado, Dependência, e uma complexidade também elevada, somando 29 pontos. (Um item que esta bloqueando outras historias, tem risco e é complexo tecnicamente)

      Na minha visão, no papel de um PO como exemplo, qual história seria mais ideal neste contexto? Imagino que a historia com 29 pontos teria muito mais argumento plausível para ser priorizada (Independente do contexto) do que a de 12 pontos.

      1° – Se temos dependência, devemos elimina-las. Excesso de dependências, aumenta o Backlog.
      2° – Risco, quanto mais cedo for trabalhado e mitigado, mais rápido eliminaremos ele. Postergar risco não é saudável.
      3° – Complexidade técnica, quando mais rápido o time focar em avaliar e entregar historias complexas tecnicamente, menos risco ou novas dependências, teremos futuramente.

      Sabemos que conceitualmente devemos “entregar valor de forma incremental” e etc. Mas no nosso mundo tecnológico e com bastante governança, ainda estamos evoluindo para isso.

      O que achou da minha reflexão?

      Muito obrigado por compartilhar sua opinião.
      Muito válido e importante!!!

      Um abraço!

      Curtido por 1 pessoa

      • Isso sim é uma resposta de peso!
        Achei que a explicação ficou ótima! complementou bem a dica desse artigo.
        Sobre a conclusão, eu gosto dessa capacidade de adaptação que você citou, acho que um dos maiores desafios é conseguir obter uma visão realista da situação atual para errar menos na escolha dos métodos e práticas.
        Complemento com o que o Luiz Lula Rodrigues falou no Twitter:
        “A receita que os métodos trazem são abstrações. São mais concretas que os princípios que definem sua essência, mas são abstrações. O que é concreto é o que acontece no mundo real. Os estímulos que você recebe, as ações que você executa e a maneira como as executa.” (https://twitter.com/luizphx/status/1089818104513859585)
        Achei fantástico isso que ele disse!
        Fiquei lisonjeado em receber sua resposta detalhada. Muito obrigado por isso!

        Curtido por 1 pessoa

  2. Fico mega feliz por ter conseguido explicar para você, com base no exemplo usado.
    Espero que ela ajude muitos colegas agilistas em suas jornadas, pois este é o propósito!
    A frase citada pelo Luiz Lula vai muito de encontro com o propósito do Método VRDC. Muito bom!!!
    Eu novamente agradeço o seu ponto de vista e opinião.

    Muito obrigado Kadu.
    Abraço.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.